quarta-feira, 14 de abril de 2010

Oi Mari,



Estava com saudades e fiquei feliz em receber sua carta hoje.

Suas notícias soaram-me um tanto relaxante. Deixaram-me quentinha e confortável.

Só hoje, depois de ter lido sua carta, fui aos poucos me apropriando da dimensão das escolhas que a gente faz na vida.

Eu não tenho, nesse momento, como encontrar as palavras precisas para dizer quão contornável foi poder ler-me nas suas. Obrigada, de verdade.

De fato trabalho alimentando a alma, não vendendo-a, mas por continuar escolhendo a mesma escolha a cada novo dia, eu também vou aprendendo que para isso sempre há de se deixar as outras tantas escolhas que não foram feitas..

Acordo, e uma das primeiras coisas que me vêm à cabeça é qual a vida que eu quero pra mim.

Ainda que apenas intente idealizar essa questão, sou diretamente lançada ao que de fato, para mim, é na vida valoroso.

Nossa! Uma canseira danada... Esforços que não acabam mais. Viagem que eu não vejo o fim.

Esforço existencial mesmo sabe?

E eu também queria, além do que quero todos os dias, algumas das outras escolhas  que deixo de querer quando faço esta. Movimento intermitente de aprender “abrir mão” para simplesmente ser o que eu quero ter pra minha vida.

É disso que eu vivo amiga.

Uma escolha diária, muito trabalho e eu na recompensa.

Gosto do outro. Tanto, que pensei em tempos passados, que os valorizava mais do que a mim.

No caminho eu já aprendi que somente seremos em companhia do outro. Tanto quanto eu for o melhor de mim, o melhor do outro a ele oferecerei..

Percebi que em todas as instâncias somos nós, os únicos realmente capazes de nos fazermos “sendo” realizados.

Se o mundo parasse, meu último pensamento seria: apesar de não ter assistido ao filme que eu tanto queria, apesar de ter dado um super furo com a Pati hoje e apesar das muitas coisas que deixei por fazer, até hoje eu fui feliz!

Muito obrigada pela companhia durante a trajetória.

Fica claro pra mim o quanto a proximidade anda desligada da necessidade de estarmos fisicamente perto.

Bons dias de Mariana pra você.

Beijo grande,

Thais

Um comentário:

Zari disse...

Tem varias frases escritas que queria copiar e colar p/ falar mais e mais e mais. A busca nao para realmente, ela eh diaria. Todo dia quando acordamos. O importante eh tentar sempre se sentir bem, feliz e ter orgulho daquilo que plantamos e daquilo que colhemos. a velocidade do tempo as vezes me assusta, simplesmente passou e ainda nao fiz metade do que eu queria. por isso, invoco semana que vem uma cerveja urgente. beijo
mari