segunda-feira, 19 de abril de 2010

A costureira

Era uma vez uma costureira.
Porque ela se fez costureira não se sabe a resposta.
Reside nesta pergunta o mistério que não sabemos se um dia veremos desvendado.
Toda e qualquer tentativa de resolução, até agora, não passou de mera suposição.
Para que se fez costureira, talvez um dia, ela alcance a resposta.
O fato é que ela costurava incessantemente. 
Mas só depois de um tempo adiantado, deu-se conta de costureira ser.
Disfarçou-se demasiadamente pelo caminho.
Quase se perdeu entre pontos inusitados, mas salvou-se a tempo por ter estado sempre presa a um único fio; a ânsia de ser.
No dia que finalmente pode revisitar-se sem reservas, conseguiu desembolar o novelo para fazer uso do imenso e indispensável fio que necessitava para a nova costura que pretendia fazer.
Desesperou-se ao se deparar com o trabalho de uma vida toda desfeito.
Fios soltos para todos os lados.
Chorou ao repassar os alinhavos, mas entregou-se por fim.
Entre lágrimas, deu-se conta da agulha que na mão lhe sobrara.
Num dia despretensioso, de um tempo com tempo, encontrou-se com mais duas artesãs.
Pôs- se de pé e fez seguir.
Embora fizessem uso de diferentes matérias primas, as três artesãs buscavam uma mesma obra de arte como produção: reinventar-se.
Foi assim, em boa companhia, que a costureira encorajou-se a recomeçar: pôs-se a costurar com os fios soltos sua nova invenção.
De tanto costurar, deu-se conta, um dia, que costureira era e que justamente aí, na simples descoberta, habitava aquilo que por tanto tempo ela procurava ser.

3 comentários:

Flavia Cunha disse...

Thais...
Tenho acompanhado seu blog e me deliciado com seus textos que além de bem escritos são um convite à reflexão e uma viagem para dentro de si inegualável.
Como vc está?
Que saudades!!!
Como andam os seus pequenos (se é que vc está esse ano com os pequenos, rs)
Grande beijo para você!
Flávia

ju_strz disse...

MA-RA-VI-LHO-SO!
É simplismente incrível ver como você transforma tudo em poesia. Se todo mundo que lesse este texto soubesse como ele começou ficariam ainda mais maravilhados! Assim como eu fiquei!
Obrigada por me dar este presente!E tantos outros...
Bjossss

Laura disse...

Queridissima!!! É linto!!!
Acho que nosso encontro é a força que precisavamos para o começo de tudo! Afinal, não é vc mesma que diz que o que somos é determinado pelo que somos na relação com o outro?
Obrigada, minha generosa costureira que se ajuda enquanto ajuda também os que estão ao seu lado!
Beijos,
Lau